Rodrigo Antonio

É cineasta paraense, formado em História (UFPA) e produção audiovisual (EICTV). Produziu curtas-metragens de ficção e documentário com carreira e reconhecimento internacional, webséries, videoclipes, documentários educacionais e uma série para televisão, Boto (TV Amazonas). Destacam-se os curtas Nada ni nadie (2015); Gaiola (2017) e Portugal Pequeno (2020), que circularam por festivais como Clermont-Ferrand F. Festival, Málaga Film Festival, Durban Film Festival. Integrou a equipe de produção executiva dos longas Sol Alegria (Tavinho Teixeira, 2018), Pequeno Mal (Lucas Camargo & Nicholas Thomé, 2018) e Fôlego (Renato Sircilli, 2018). Tem experiência como curador e parecerista de laboratórios, editais setoriais e espaços de mercado como, Nordestelab (Salvador-BA); Diáspora Conecta (Cachoeira-BA), Cinefest Gato Preto (Lorena-SP), Amazônia Doc (Belém-PA) e editais públicos. Foi professor no curso de Cinema e Audiovisual da UFPA, Belém/Pa (2018-2020), realiza seu mestrado no Programa de Pós-Graduação em Artes da mesma instituição. Desenvolve estudos e projetos sobre produção de impacto social. É idealizador e coordenador do Matapi-Mercado Audiovisual do Norte. Foi integrante do Berlinale Talents Guadalajara 2019 e Berlinale Talents Buenos Aires 2021. Atual presidente da Associação de Profissionais do Audiovisual Negro – APAN.